Saltar para: Post [1], Pesquisa e Arquivos [2]

Planeta Azul

Mantenhamos o Planeta Azul e limpo. Não sejamos egoístas, pensem no futuro dos que vão chegando

Mantenhamos o Planeta Azul e limpo. Não sejamos egoístas, pensem no futuro dos que vão chegando

Planeta Azul

Eu sou um guarda-rios comum (alcedo atthis) e azul, tal como o Ventor gosta. Caminharei por aqui, neste Planeta Azul e, na companhia do Ventor, se nos deixarem


Águia de asa redonda, uma amiga do Ventor


DSC07206a.jpg


Planeta Azul - Na Rota do Lince Ibérico

A beleza do Lince Ibérico. Foto tirada da Wikipédia atribuída ao "Programa de Conservación Ex-Situ del Lince Ibérico

09
Abr16

1º Encontro com Rolas Bravas, em 2016

Ventor

Ontem foi o nosso primeiro encontro de 2016.

Queria dar uma caminhada mas as possibilidades eram quase nenhumas. Desafiei a Dona do Pilantras e lá fomos. Sentamos-nos no carro e fomos fazer uma comprinha na Amadora. Depois tentei ir para onde conseguisse distender as pernas e andar nem que fossem 500 metros. Mas, atendendo a que isso não iria ser um bom trabalho, desviei-me para o Charco.

 

DSC00903.jpg

 

Eu sabia que elas já deveriam andar por aí. Chegam sempre a tempo de encantar o Ventor

 

Cheguei, encostei e parei. Os meus amigos tomavam banho. Saíam uns, regressavam outros, sempre com o sentido na água, para beberem ou para se lavarem. São limpinhos, os meus amigos!

Pintassilgos iam, pintassilgos vinham. O mesmo se passava com todos os outros. Verdilhões, pintassilgos verdes, pardais, estorninhos e não faltava entre estes, o meu amigo Albino. Eu acho que, eles, já todos me conhecem.

 

A Dona do Pilantras, minha companheira de algumas das minhas caminhadas, via TV no Ipad e eu, sem nada mais para fazer, apontava a máquina para o Charco, o ponto de encontro, entre eu e os meus amigos.

 

DSC00908.jpg

 

Elas também sabem que com o Ventor estão seguras, mas quero também que saibam que nem todos são como o Ventor

 

A tarde descia, o meu amigo Apolo caminhava rumo a oeste e começava a enfraquecer. De repente, vejo um alvo no silêncio. Uma rola brava, no seu voo silencioso, cortando o ar como uma flecha pousa junto ao Charco. Olha-me silenciosamente e volta a escrutinar tudo em volta. Depois, como quem não quer a coisa, dirige-se à água, fica de costas para mim e pergunta-me, olhando-me de soslaio: "estás aqui desde o ano passado, Ventor? Não imaginava que ficavas tão contente por nos voltares a ver"!

 

Mas fiquei. Fiquei e ela sabia-o! Descendo das alturas, mais uma flecha pousou ao lado dela. A voz daquele penudo, foi: "estava indeciso, Virgulina mas, quando me apercebi que era o Ventor, nem hesitei"!

 

DSC00909.jpg

 

Caminhando ao lado destas belezas, imagino-me em Adrão, nos anos 50's e em Vila Cabral em 1969

 

Foi assim o nosso primeiro encontro, em 08.04.2016. Beberam, água num charquinho como muitos de outros que encontraram pelo caminho. Pousar, abastecer o papo de água e comer (o que se possa arranjar) e, eis que chegaram. Chegaram à sua terra de eleição para namorarem, juntarem as peninhas e terem os seus filhotes; tratarem deles e lançarem-nos na escola da vida, na luta pela sobrevivência e regressarem juntos, na mesma rota migratória, num vai-vem de um mundo onde só pedem muito do céu azul para fugir às tormentas. É assim a vida da rola brava, no nosso Planeta Azul.

Eu quero ser eterno companheiro do Ventor na nossa Grande Caminhada

Alcedo_azurea_-_Julatten.jpg