Um amigo do passado ... 

 

 

  

O corvo marinho, é um dos meus companheiros de caminhadas, nas margens do Tejo.

No domingo passado, enquanto almoçávamos, ali para os lados de Stª. Apolónia, junto ao rio Tejo, observei pela grade que separava o restaurante de um espaço que dá acesso ao rio, um velho amigo.

Este! 

Um amigo do presente ...

 


Corvo marinho, em operação secagem

 

Este corvo marinho, saiu da água do Tejo, ali ao lado, esvoaçou para uma maquineta onde são amarrados os barcos, e decidiu proceder ali, à operação de secagem, mesmo em frente do Ventor e todos aqueles que estavam a fazer aquilo que, certamente, o corvo acabara de fazer também.

Ele terá saboreado uma tainha bem grandota porque, a operação de secagem nunca mais tinha fim.

Eu que chegara de S. Pedro de Sintra, onde tinha ido beber o café e comer dois travesseiros e, acabado de dar uma caminhada entre as futuras dedaleiras rosas que, cheias de energia proporcionada pelo nosso amigo Apolo, se preparam para enfeitar mais algumas caminhadas do Ventor, estava a trincar "a la long", um belíssimo bife grelhado. Claro que mandei o bife esperar e fui fazer a recepção àquele meu amigo.

 

Como podem ver, também o corvo marinho, um velho amigo do Ventor, torna o nosso Planeta Azul, mais lindo!

Eu sou um guarda-rios comum (alcedo atthis) e azul, tal como o Ventor gosta. Caminharei por aqui, neste Planeta Azul e, na companhia do Ventor, se nos deixarem

publicado por Ventor às 00:35