Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

Planeta Azul

Mantenhamos o Planeta Azul e limpo. Não sejamos egoístas, pensem no futuro dos que vão chegando

Mantenhamos o Planeta Azul e limpo. Não sejamos egoístas, pensem no futuro dos que vão chegando

Planeta Azul

Eu sou um guarda-rios comum (alcedo atthis) e azul, tal como o Ventor gosta. Caminharei por aqui, neste Planeta Azul e, na companhia do Ventor, se nos deixarem


Águia de asa redonda, uma amiga do Ventor


DSC07206a.jpg


Planeta Azul - Na Rota do Lince Ibérico

A beleza do Lince Ibérico. Foto tirada da Wikipédia atribuída ao "Programa de Conservación Ex-Situ del Lince Ibérico

04
Set11

O Lince Ibérico

Ventor

Quando as belezas animais desaparecem, do nosso Planeta Azul, entre outros, animais como o lince ibérico, o nosso planeta fica menos azul e torna-se menos belo e mais pobre.

Por isso, hoje, apetece-me escrever, aqui, já que não posso falar, sobre o lince ibérico (Lynx Pardinus), a que alguns chamam, o Cerval Ibérico.

 

 
O Lince Ibérico, retirado da Wikipédia atribuído ao "Programa de Conservación Ex-Situ del Lince Ibérico"
 
O lince ibérico é um animal pelo qual, julgo, valer a pena lutar pela sua sobrevivência, pois trata-se de uma espécie ameaçada e, actualmente, existirão, segundo cálculos de especialistas, não mais de 150 animais, no estado selvagem. Segundo calculam, estes linces apenas existem na Comunidade Autónoma da Andaluzia, num local a que chamam o Couto de Doñana e outro local que não recordo o nome. No entanto, segundo outras informações, foi descoberto mais um pequeno núcleo de linces ibéricos, num local de Léon (Leão e Castela) considerando-se, actualmente, o lince ibérico como o felino mais ameaçado do mundo.
Existem, neste momento, quatro centros de reprodução, em cativeiro, para linces ibéricos. Um no Parque Natural de Doñana, centro de El Acebuche, outro em Andújar-Cardeña, outro em Zarza de Grandilha (Cáceres) e um quarto em Silves no Algarve, o centro português que iniciou o seu funcionamento com 20 linces ibéricos, vindos de Espanha.Os espanhóis têm ainda um centro de aclimatação, em Guadalmellato, Córdoba.
 
Segundo alguns especialistas que se têm debruçado sobre o estudo dos linces ibéricos, o peso médio destes animais, está em pouco mais de 9 kg para as fêmeas e pouco mais de 12 kg para os machos. Porém, há informações de que os linces ibéricos nunca passaram dos 20 kg, o que faz supor que terão havido linces que vieram a atingir os 20 kg.
 

 

Uma maravilha da Natureza, o lince ibérico, como podemos ver neste e em outros vídeos do Youtube

 

Segundo os estudos levados a efeito no Parque Nacional Doñana, com radiotransmissores telemétricos usados no estudo do seu habitat, a dieta do lince ibérico é composta por coelhos bravos, cerca de 90%.

 

 
A pele de um lince ibérico
 
Tudo está contra o lince ibérico!
Ele foi submetido a caçadas selvagens por motivos da beleza da sua pele e, ainda hoje, aparecem linces ibéricos mortos por chumbadas de caça.
E, agora, tratando-se de um animal protegido pelas autoridades espanholas e portuguesas, ele continua a correr riscos enormes de desaparecer do nosso convívio. O seu habitat tem sofrido uma intensa pressão humana, estando, por isso, confinado às zonas acima identificadas pois, tal como todos os animais em risco, são atropelados nas estradas e, também atingidos por epidemias, entre outras situações. Por isso, a continuação deste belo animal na nossa companhia, dependerá muito da solidariedade humana e da eficácia da ajuda prestada.
 
Para velar pelo seu futuro, as entidades espanholas, têm feito alguns desses animais cativos para tentarem a sua reprodução, em cativeiro. Como sabemos, já há um plano conjunto entre portugueses e espanhóis, para tentarem salvar o lince ibérico, sendo um objectivo desse plano a sua reprodução em cativeiro e, relançar o lince ibérico nos seus habitats naturais, tal como a serra da Malcata, situada entre Penamacor e Sabugal e onde se diz ainda existirem, além do lince ibérico(?), o ginete, a raposa, a fuinha, o gato bravo, além do coelho, a base de alimentação de todos esses carnívoros.
Por isso, seria de bom grado que a caça ao coelho fosse proibida na Reserva e nos arredores da própria Reserva, e isto, tanto na reserva da Malcata como em todas as reservas e parques deste país.

Eu quero ser eterno companheiro do Ventor na nossa Grande Caminhada

Alcedo_azurea_-_Julatten.jpg