Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

Planeta Azul

Mantenhamos o Planeta Azul e limpo. Não sejamos egoístas, pensem no futuro dos que vão chegando

Mantenhamos o Planeta Azul e limpo. Não sejamos egoístas, pensem no futuro dos que vão chegando

Planeta Azul

Eu sou um guarda-rios comum (alcedo atthis) e azul, tal como o Ventor gosta. Caminharei por aqui, neste Planeta Azul e, na companhia do Ventor, se nos deixarem


Águia de asa redonda, uma amiga do Ventor


DSC07206a.jpg


Planeta Azul - Na Rota do Lince Ibérico

A beleza do Lince Ibérico. Foto tirada da Wikipédia atribuída ao "Programa de Conservación Ex-Situ del Lince Ibérico

31
Mar12

A Hora do Planeta

Ventor

Todas as horas são ou deveriam ser, no sentido que se pretende, a Hora do Planeta.

A Hora do Planeta, com o objectivo que o WWF-World Wildlife Fund pretende, deveria de existir todos os dias a todas as horas, todos os minutos, todos os segundos que os cidadãos possam dedicar às economias energéticas e não só.

 

As sociedades modernas são demasiado egoístas e, por isso, se vão tornando retrógradas nas poupanças energéticas que, um dia tanta falta virão a fazer aos vindouros.

Eu penso no futuro daqueles que nos substituirão nas nossas caminhadas. E, quando um dia abandonar a Luz do meu amigo Apolo, gostaria de ir com a ideia constituída de que tudo irá correr bem para os que ficam pois não irei querer que eles venham a ter a vida que eu tive nos primeiros anos da minha vida, vivendo no limiar dos mínimos embora, os possa considerar dos mais felizes que tive.

Porém, recordo-me que, nas nossas aldeias serranas, aprendemos depressa a contar as estrelas e a saber observá-las. Aprendemos a viver com meia dúzia de coisas e a tratar os nossos animais domésticos como nossos iguais, porque eles eram parte integrante da nossa vida. Dependíamos nós, mais deles, que eles de nós.

 

Por isso, recordo, sempre, esses tempos de um modo muito especial. Desde que saí de Adrão, não mais caminhei de igual modo, com a minha amiga Diana, nas suas noites mais brilhantes, nem voltei a observar, da mesma forma, a minha amiga Vénus, a nossa estrela da tarde e estela da manhã, quer ao cair da noite, quer ao nascer da aurora matinal.

 

 

Não tive tempo de acompanhar a Hora do Planeta, mas não me esquecerei que ela deve existir todos os dias, pontualmente, e isso depende de todos nós

 

Por essas e muitas outras coisas recordo os povos que vivem as suas vidas como eu vivi a minha nos primórdios, tal como os Tuaregues, recordando aqui essa gente valorosa, cuja riqueza maior são as areias do deserto, os tufos de ervas verdes que alimentam os seus gados e as nascentes de água potável.

 

Quando saí de Adrão, com 15 anos, apenas uma vez tinha passado por Arcos de Valdevez, quando fui fazer o exame da 4ª Classe e foi pela primeira vez, numa noite, que dormi fora de casa, na Pensão do Sr. Lima. Dormia em Adrão ou Paradela e, apenas por outra vez dormi no Albergue da Peneda, onde hoje é o Hotel. A partir dos 15 anos, dormi sempre fora de casa! Agora já não tem importância porque dormimos sempre em camas que pagamos ou que nos emprestam por uma ou duas noites. O ninho, nunca mais foi o mesmo!

 

O Tuareg diz que, saído do deserto da sua vida, chorou ao ver a água correr nas torneiras do Hotel. Que tem saudades de pisar as areias do seu deserto descalço e que, o seu povo era, muitas vezes, nas suas caminhadas nómadas, levado até à água, nascida nas areias desérticas, pelos camelos. Agora, tal como eu, já terá deixado de contar as estrelas de observá-las e de agradecer a sua companhia. Na prática, acabamos por esquecer de as olhar.

Tal como eu, ele tem saudades do leite da camela e eu tenho saudades do leite da ribeira.

 

 

Deixem que as flores vivem a nosso lado

 

Tal como eu, ele sabe que as sociedades ditas ocidentais, mas não só, passam o tempo a correr, a empenhar-se nos bancos, julgando que o sorriso seguinte será mais lindo. Quantos enganos que têm mostrado as crises onde todos, uns mais outros menos, estamos atolados.

Acredito que o Tuareg fique tão espantado com tanta coisa, como eu fiquei, na minha chegada a Lisboa mas, sobretudo, desejo-lhe felicidades no mundo que o vai absorvendo e êxito na Universidade de Montpellier.

Fiquei espantado com a primeira mulher que vi a fumar na minha vida, numa viagem de cacilheiro entre o Terreiro do Paço e Cacilhas, em 1961. Julguei-me estar num outro mundo que não o meu!

 

Fiquei espantado quando me cruzei com o primeiro indivíduo de raça negra na R. Afonso Galo, em Almada, também em 1961. E tantas outras coisas que também terão espantado o Tuareg, tal como as imagens de mulheres nuas que ele vê nas paredes das cidades francesas ou nas televisões. Não é só desrespeito pelas mulheres, não, amigo. Elas derespeitam-se a si próprias! Têm liberdade para isso.

 

Eu e o Tuareg temos muitas coisas em comum, especialmente, o azul. Ele tem mesmo que gostar do azul porque, viveu entre o azul do céu do deserto e as areias douradas do seu mundo e, para sua salvação, o tecido que o protegeu do pó, é também de tom azul. Também eu gostava do céu que pairava sobre as minhas Montanhas Lindas, todas verdes. Como gostei do primeiro mar que vi quando, em 1961, tomei o primeiro banho de mar na praia da Costa da Caparica.

 

Por isso, não só aos tuaregues mas a todos os povos do mundo, lembro-me dos meninos do Huambo e do Niassa, entre outros, eu desejo toda a sorte do mundo e nunca se esqueçam da Hora do Planeta! Pensar na Hora do Planeta é pensar no futuro! 

  

 

 

Eu quero ser eterno companheiro do Ventor na nossa Grande Caminhada

Alcedo_azurea_-_Julatten.jpg