Mais um belo amigo das minhas caminhadas.

O Pisco do Peito Ruivo (Erithacus rubecula) ou pintarroxo, é um passarinho encantador. Ele sabe cantar para nós muito bem e não é único.

 

 

Uma bela amostra do ruivinho, neste vídeo do Youtube

 

Ainda há dias, no jardim de Queluz, na margem do rio Jamor, fiquei alguns momentos à sombra de um belo chorão que, por ali se pendura na margem a observar o rio, tal como eu e o pisco que poisou sobre o chorão e começou a observar-me.

A dois três metros da minha cabeça, espreita daqui, espreita dali, o pisco resolveu iniciar um diálogo comigo!

«Pensei que eras meu amigo, Ventor mas, afinal, estás aí especado a ver se vês passar o teu amigo azulinho - o Sr. Guarda-Rios»!

 

"Sou teu amigo, pois, pisquinho! Mas, a ti, eu vejo-te muitas vezes, não é por acaso que somos amigos mas, o tal Sr. Guarda-Rios, anda por aí a tentar estabilizar os seus domínios e ainda não tem muitos amigos. Por isso, se ficares caladinho sobre o chorão a observar o rio e ajudares, eu agradecia-te muito".

«Claro que te vou ajudar, Ventor! Mas tenho que cantar. Enquanto canto, animo-te! E, se tudo correr bem, tu vais ficar contente a ouvires-me e o Sr. Guarda-Rios também.

Sabes que ele já me disse que o seu dia começa melhor quando me ouve cantar? É por isso que quando eu acordo de manhã, começo logo a cantar para os meus amigos»!

 

 

Se eu tivesse paciência, ainda veria um destes a comer na minha mão, como o do vídeo

 

Ontem, depois do romper do dia, espreitei pela porta do quarto e pelos vidros da marquise a atrapalhação do meu amigo Apolo com a escolha de robe para me animar e dar-lhe a minha opinião de qual dos robes lhe ficava melhor. Ali estivemos os dois entretidos, Apolo a caminhar, atravessando o horizonte e eu a observar como ele torna o horizonte tão lindo, nos intervalos dos maus e bons tempos.

 

Levantei-me e, mal abri a janela do lado oposto aos entretimentos do meu amigo Apolo, tive logo a companhia de outros amigos! Primeiro foi o Tobias que me veio dar o bom dia, no choupo. Disse-me que, com maior frescura, já não sente a necessidade de se refrescar no rio e de abrigar-se dos raios quentes do nosso amigo Apolo, à sombra dos salgueiros.

 

 

Vivam e deixem que eles vivam também. Já têm tantos problemas para manterem os seus filhotes vivos. Fazem os ninhos no chão e é aí que criam os filhotes, com tantos inimigos a caminhar nos seus sítios. Estes bichinhos, todos os bichinhos merecem o respeito de nós todos

 

De seguida, apareceu outro "pisco de peito ruivo", cá do burgo, a caminhar no passeio e na relva, saltitando entre os dois, ao mesmo tempo que me observava e gritou: "salve, Ventor"!

De seguida, apareceu saltitando entre a folhagem do choupo, o meu amigo chapim azul, a desejar-me um bom dia, continuando infiltrado no choupo a dar a sua caçada matinal aos insectos.

 

Por fim, assisti ao esquadrão de cinco patos reais a desejar-me, também, um bom dia. Com tanta azáfama, ia deixando que as tostas ficassem demasiado tostadas e, por mais um pouco, o saboroso pão francês, tornava-se carvão. É para mim, uma beleza, apreciar os meus amigos nas suas caminhadas, tentando sempre desafiar o Ventor a fazer o mesmo! 

 

Esperarei sempre a vossa companhia, pisquinhos e o vosso cântico, as mensagens que o Senhor da Esfera me continua a enviar.

Eu sou um guarda-rios comum (alcedo atthis) e azul, tal como o Ventor gosta. Caminharei por aqui, neste Planeta Azul e, na companhia do Ventor, se nos deixarem

tags:
publicado por Ventor às 22:37